[18 de setembro] Lançamento do Fac-símile do livro inédito de Hercule Florence

LANÇAMENTO DO FAC-SÍMILE DO LIVRO INÉDITO L'AMI DES ARTS LIVRÉ À LUI-MÊME, DE HERCULE FLORENCE

 

18 SETEMBRO, 16H, BIBLIOTECA BRASILIANA GUITA E JOSÉ MINDLIN (SALA VILLA-LOBOS), SÃO PAULO

Mesa de debate: Profª.Drª. Maria de Fátima Costa, Prof. Dr. Boris Kossoy, Prof. Dr. Carlos Zeron e Antonio Florence

 

            

Instituto Hercule Florence (IHF) promove o lançamento de sua primeira iniciativa editorial: a caixa especial e numerada com a edição fac-símile do livro inédito L'Ami des Arts livré à lui-même, disponível para aquisição no Brasil, Europa e demais regiões do mundo pelo site do IHF (www.ihf19.org.br/lami).

 

Considerada a obra mais importante do artista e inventor Hercule Florence – e uma das mais relevantes para a história da fotografia no mundo –, a publicação é uma fonte de pesquisa essencial para estudiosos da iconografia e dos processos científicos do século XIX, além de ser um documento inédito para os interessados nos viajantes do século XIX e para pessoas físicas e instituições detentoras de Brasilianas.

A edição consolida o reconhecimento internacional de Florence, após a grande exposição Hercule Florence: Le Nouveau Robinson, no Nouveau Musée National de Monacoentre março e setembro de 2017 (http://www.nmnm.mc/index.php?option=com_k2&view=item&id=347:hercule-florence-le-nouveau-robinson-villa-paloma&lang=en).

O evento de lançamento da caixa especial acontece no dia 18 de setembro (terça), às 16h, na Sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (rua da Biblioteca, 21 – Cidade Universitária, São Paulo, SP), apresentando uma mesa de debates com as participações da Profª. Drª. Maria de Fátima Costa (historiadora/ UFMT), do Prof. Dr. Boris Kossoy (historiador/ ECA-USP), do Prof. Dr. Carlos Zeron (diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin) e de Antonio Florence (Instituto Hercule Florence). Na ocasião, a edição poderá ser reservada, havendo dois exemplares para manuseio durante o evento.

 

HERCULE FLORENCE 

 

                      

 

Personagem fundamental para a ciência e a cultura brasileira, Hercule Florence foi artista e inventor, reconhecido internacionalmente como um dos criadores do processo fotográfico. Pioneiro em pesquisar e experimentar novas tecnologias no século XIX, produziu ainda uma vasta obra iconográfica sobre o interior paulista e brasileiro.

Nascido em Nice, em 1804, e cidadão de Mônaco, foi desenhista e pintor de formação autodidata. Jovem inquieto e curioso, leitor de Robinson Crusoé e apaixonado por viagens, em 1824 desembarcou no Rio de Janeiro, sendo contratado, com apenas vinte anos de idade, como segundo desenhista da Expedição Langsdorff (1825 a 1829), missão científica que percorreu o interior do Brasil, de São Paulo até o Amazonas, realizando monumental levantamento de dados geográficos e etnográficos do país. Ao final da expedição, radicou-se na vila de São Carlos, atual Campinas (SP), onde viveu até seu falecimento, em 1879.

Seu reconhecimento se faz presente em importantes publicações internacionais sobre história da fotografia, entre estas, A World History of Photography, de Naomi Rosenblum (Abeville, Nova York, 1984); Les Multiples Inventions de la Photographie, org. Jean-Pierre Bady, com artigo de Boris Kossoy (Association Française pour la Diffusion du Patrimoine Photographique, Paris, 1989); e Seizing the light: A History of Photography, de Robert Hirsch (McGraw-Hill, Nova York, 2000), na qual seu autor constata:

“A noção de consciência simultânea, de que uma ideia pode ocorrer independentemente a pessoas diferentes, em lugares diferentes, ao mesmo tempo, é evidenciada no experimento de Antoine Hercule Romuald Florence [1804-1879], artista francês que viveu no Brasil. Seus cadernos de anotações, escritos entre 1829 e 1837, relatam o registro de imagens com camera obscura e nitrato de prata em janeiro de 1833.”

A mostra no Nouveau Musée National de Monaco, que abordou a prolífica produção de Florence, resultou também em uma relevante publicação em âmbito internacional: o catálogo Hercule Florence: Le Nouveau Robinson (Nouveau Musée National de Monaco/ Humboldt, 2017), com edições em francês e inglês, que reúne artigos de Geoffrey Batchen (Victoria University of Wellignton, Nova Zelândia), Valeria Piccoli (curadora-chefe da Pinacoteca do Estado de São Paulo) e Boris Kossoy, entre outros autores brasileiros e estrangeiros.

Referência fundamental para o estudo da trajetória e do legado de Florence é o livro do historiador Boris Kossoy, Hercule Florence: A Descoberta Isolada da Fotografia no Brasil (Edusp, 3ª edição, 2006). De alcance internacional, a obra foi publicada com edições em espanhol (Hercule Florence: El descubrimiento de la fotografía en Brasil, INAH, México, 2011; e Hercule Florence: El descubrimiento aislado de la fotografía, Cátedra Ed., Madri, 2017); em alemão (Hercule Florence: Die unabhängige Entdeckung der Fotografie in Brasilien, Lit Verlag, Viena, 2015); em francês (Hercule Florence: La découverte isolée de la photographie au Brésil, L'Harmattan, França, 2016); e em inglês (The Pioneering Photographic Work of Hercule Florence – Routledge History of Photography, com prefácio de Robert Hirsch, Taylor & Francis/Routledge, 2017).

 

Sobre o pioneirismo de Florence, Kossoy afirma:

“Apesar de distante da efervescência científica e cultural das grandes metrópoles do Velho Mundo, enfrentando dificuldades de toda ordem no interior do Brasil, sua criatividade e seu espírito prático, herdado do século XVIII, não se viram tolhidos. Ao contrário, ele procurou por todas as vias sobrepujar tais barreiras e alcançar seus objetivos. (...) As realizações de Antoine Hercule Romuald Florence, que o situam definitivamente como um dos precursores mundiais da fotografia e como pioneiro das Américas, no lugar e na época em que se deram, prestam-se a exemplificar em que medida a criatividade e a determinação do homem não se limitam a fronteiras geográficas nem a contextos adversos.”

Uma bibliografia ampla e atualizada sobre Hercule Florence pode ser acessada no site do IHF, pelo link: bit.ly/HF-Bibliografia.

 

L'AMI DES ARTS LIVRÉ À LUI-MÊME: O LIVRO DEFINITIVO DE UMA VIDA

 

                    

Escrito por Hercule Florence entre 1837 e 1859 como um compêndio definitivo e ilustrado de sua vida e obra, o manuscrito L’ami des arts livré à lui même, redigido quase todo em francês, nunca foi publicado na forma idealizada pelo autor. Em suas 423 páginas, reúne a descrição de seus experimentos e os fatos que marcaram sua vida, incluindo a versão mais completa do relato da viagem fluvial empreendida pela Expedição Langsdorff.

O livro apresenta duas partes distintas. A primeira registra as principais invenções de Florence: poligrafia, pulvografia, fotografia, papel-inimitável, noria-hidrostática, estudo dos céus para jovens paisagistas, zoofonia, quadros-transparentes, um estudo sobre a compressão do gás hidrogênio para uso nos voos de aerostáticos, um ensaio sobre a impressão de pinturas à óleo em estampas, a fabricação de chapéus de palha e o uso de tipos-sílabas na impressão tipográfica.

A segunda, sua autobiografia, com ênfase na infância e na juventude em Nice, Vintimille e Monaco, além de mais de 200 páginas que narram sua participação na Expedição Langsdorff, com a descrição detalhada do trajeto fluvial entre as províncias de São Paulo, Mato Grosso e Grão-Pará.

Os aspectos de sua vida pessoal permeiam toda a narrativa, das referências às condições de vida até as dificuldades enfrentadas na criação dos filhos, passando por recorrentes críticas à sociedade escravista da Província de São Paulo.

 

RESTAURO E DIGITALIZAÇÃO

 

                          

Pela primeira vez editado de forma integral, o IHF promoveu o restauro, a digitalização em alta resolução e a transcrição diplomática do original, além de realizar a impressão com tiragem limitada de 300 exemplares numerados, acondicionados em uma caixa especial. O cuidadoso processo levou cerca de sete anos, entre restauração (Patricia Giordano), digitalização (Heitor Florence), transcrição (Thierry Thomas), projeto gráfico (Dora Levy) e produção em Verona (Itália) pela gráfica Fasoli, atual Opero (https://www.operoitalia.com/).

Os procedimentos levaram em conta as especificidades das tintas metaloácidas do manuscrito, que naturalmente estão sujeitas à gradual oxidação, podendo danificar a celulose do papel e causar ocasionais perda de suporte, bem como das tintas grafite e/ou aguada de nanquim, utilizadas em algumas das ilustrações.

A conservação do original foi realizada concomitantemente ao processo de digitalização, com  o restauro de um dos lados da folha e sua posterior digitalização, seguido do restauro da outra face. Ao final, os manuscritos passaram por um novo processo de restauro, com revisão do que havia sido executado na primeira fase e complementação do trabalho, para conservação do documento.

 

A EDIÇÃO

Vol 1: facsímile do manuscrito (em francês).

20 x 30 cm, 432 páginas impressas a 4/4 cores em papel Arcoprint Edizioni 1.3 (100 gr). Encadernação em capa dura costurada. Capa revestida em couro italiano Sinte Caprice Thermo, gravado em hot stamping prata.

 

Vol 2: transcrição, textos técnicos e de contextualização, índices remissivos (em francês).

20 x 30 cm, 544 páginas impressas a 4/4 cores em papel Arcoprint Edizioni 1.3 (100 gr). Encadernação em capa dura costurada mezzapelle. Capa revestida de seda inglesa James Hare, com lombada em couro italiano Sinte Caprice Thermo. Gravação em hot stamping prata.

 

Caixa Clam Shell: revestimento em seda inglesa James Hare. Gravação em hot stamping prata. Fita para remoção dos volumes.

Tiragem: 300 exemplares numerados de 001 a 300; 15 exemplares reservados à família Antonio Florence, sem numeração; e dois exemplares reservados aos Príncipes de Mônaco.

Preços (com frete): Brasil: R$ 3.600,00 | Europa: € 1.100,00 | Demais regiões: US$ 1.450,00.

Como adquirir: acessar a página www.ihf19.org.br/lami, preencher o formulário e seguir as instruções para pagamento e aquisição. 

Em caso de dúvidas ou sugestões, enviar um e-mail para rosana.martin@ihf19.org.br.

 

Veja imagens do livro e vídeo demonstrativo: www.ihf19.org.br/lami

 

SOBRE O INSTITUTO HERCULE FLORENCE

O Instituto Hercule Florence (IHF) foi fundado em São Paulo em 2007 e certificado como Organização Social de Interesse Público (OSCIP) em 2009. Seus objetivos são a coleta, organização, conservação e divulgação da bibliografia e de documentos sobre o século XIX brasileiro. O centro de seus interesses consiste no estudo dos diversos viajantes do século XIX e suas narrativas, bem como na produção científica e cultural da Expedição Langsdorff (1825-1828), e na vida e obra de Hercule Florence (1804-1879), dispondo de uma bibliografia atualizada sobre o autor: bit.ly/HF-Bibliografia.

O IHF reúne acervo próprio composto por biblioteca e arquivos especializados. São eles: Coleção Arnaldo Machado Florence e obras das bibliotecas de Dr. Érico João Siriuba Stickel, Dra. Rosemarie Erika Horch e Dra. Ana Maria Camargo. Além disso, realiza projetos em conjunto com instituições museológicas e de pesquisa, tais como Bibliothèque Nationale de Paris (BNF), o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o Centro de Memória da Unicamp (CMU-Unicamp), a Escola Politécnica de São Paulo (USP), entre outras.

O lançamento do fac-símile do L’Ami des Arts integra um conjunto de ações e projetos do IHF para o reconhecimento das realizações científicas, gráficas e iconográficas de Hercule Florence. No sitewww.ihf19.org.br estão disponíveis os frutos de alguns desses projetos e parcerias, além de documentos relativos ao Brasil do século XIX.

                            

SOBRE OS INTEGRANTES DA MESA DE DEBATE

Maria de Fátima Costa

É professora Associada da Universidade Federal de Mato Grosso e coordena o grupo de pesquisa História, Arte, Ciência e Poder – HISARCIPO. Como pesquisadora vem realizando estudos interdisciplinares sobre História do Brasil e História da América Meridional, centrados em temas como: Viagens e Viajantes; Expedições Científicas e de Demarcação de Limites; Artistas-viajantes; História Indígena; Cartografia Histórica, e Documentação Histórica. Tem vários artigos e livros publicados sobre estas temáticas.

 

Boris Kossoy

Historiador, pesquisador e fotógrafo, foi professor da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP, Baurú/SP (1992 e 1994), professor convidado do Depto. de Jornalismo e Editoração da ECA-USP (entre 1988 e 1997) e docente da mesma instituição em regime de dedicação exclusiva (entre 1998 e 2008). Atualmente dedica-se à docência e à pesquisa como professor de programas de pós-graduação da ECA-USP, além de seguir com sua obra como fotógrafo. É autor, entre outros, dos títulos Dicionário Histórico-Fotográfico Brasileiro (Instituto Moreira Salles, 2002); Fotografia e História (5ª ed. Ateliê Ed., Cotia, 2014); Realidades e Ficções na Trama Fotográfica (5ª ed., Ateliê Ed., Cotia, 2016); Os Tempos da Fotografia: O Efêmero e o Perpétuo (3ª ed., Ateliê Ed., Cotia, 2014). Seu livroHercule Florence: A Descoberta Isolada da Fotografia no Brasil (Edusp, 3ª edição, 2006), referência fundamental para o estudo do legado de Florence, foi publicado internacionalmente, com traduções para o espanhol (edições mexicana e espanhola), o alemão, o francês e o inglês. www.boriskossoy.com  

 

Carlos Alberto de Moura Ribeiro Zeron

Professor Titular de História da Universidade de São Paulo. Diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (USP). Membro da Academia Ambrosiana, Classe di Studi Borromaici (Milão, Itália). Foi professor visitante da Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (1997, 2002, 2007, 2013, 2014 e 2016) e da Universidad Internacional de Andalucía (2004); foi também pesquisador convidado do Musée du Quai Branly (2009). Realiza pesquisas sobre a escravidão indígena e africana, sobre a legislação indigenista na América de colonização portuguesa e espanhola e sobre o pensamento jurídico moderno (com ênfase nas obras produzidas pelos teólogos da Companhia de Jesus e por juristas espanhóis e portugueses). 

                            

Antonio Florence

Tetraneto de Hercule Florence, formou-se em Direito pela Edusp em 1979 e especializou-se na Ludwig Maximilian Universität de Munique, RFA. Atua como advogado em São Paulo desde 1988. A partir de 2001 dá início ao projeto do Instituto Hercule Florence (IHF), constituído em 2007 por ele e familiares próximos, do qual é hoje presidente do conselho. Desde 2016 vive em Lisboa, onde fundou a representação do Instituto.

 

 

SERVIÇO:

Lançamento da caixa especial com o fac-símile de L'Ami des Arts livré à lui-même

Data: 18 de setembro de 2018

Horário: 16h

Local: Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin – Sala Villa-Lobos

Endereço: rua da Biblioteca, 21 – Cidade Universitária – São Paulo, SP

Telefone: (11) 2648-0310

Site: www.bbm.usp.br  

Entrada gratuita

 

Como adquirir os exemplares:

Acessar a página www.ihf19.org.br/lami, preencher o formulário e seguir as instruções para pagamento e aquisição. 

Em caso de dúvidas ou sugestões, enviar um e-mail para rosana.martin@ihf19.org.br.

 

Preços (com frete):

Brasil: R$ 3.600,00 | Europa: € 1.100,00 | Demais regiões: US$ 1.450,00.

SITE DESENVOLVIDO POR MANISH | DESIGN DE PATHOS GRAPHICOS